Skip to main content

Sarau Cultural Sint[f]onias

04 julho 2024

Sarau Cultural Sint[f]onias

Sarau Cultural Sint[f]onias

Sarau Cultural Sint[f]onias

O professor António Oliveira pediu licença ao tempo, “esse escultor de memórias”, para nos guiar numa viagem por lugares onde a música e as memórias se tocaram. Licença concedida e as melodias e o teatro contaram-nos histórias que foi bom recordar! Lembraram também a importância da sintonia entre as pessoas, entre os povos, em que arte é a ponte que nos convida a atravessar margens distantes, o elo que une culturas, que promove a tolerância, a compreensão e a paz.

“Sint[f]onias” foi muito mais do que um espetáculo musical… foi uma experiência de sensações e emoções proporcionadas pela dramatização intercalada com canções que que acompanharam a construção europeia do pós-guerra, para nos contar uma história de lembranças e saudade, mas também de busca de entendimento e reconciliação. Hoje, num mundo cada vez mais polarizado, quando se voltaram a cavar trincheiras e a erguer muralhas na Europa, esta produção lembrou-nos o papel das artes, o poder transformador dos maestros da paz!

Os diálogos entre neto e avó, personagens brilhantemente interpretadas pelo Gustavo Pereira e pela professora Rita Almeida, que passam pelas memórias de um passado mais ou menos distante, mas também pelos conflitos contemporâneos, foram uma verdadeira lição de História… as lembranças partilhadas, as músicas e as reflexões que os dois trazem ao palco lembram a todos que o respeito mútuo e a valorização da diversidade são a chave para a paz e para a cooperação entre os povos.

A Academia de Artes de Cinfães e o Grupo Cordas d’Ouro” trazem-nos o fio condutor desta narrativa: a música europeia das últimas décadas. Canções como “Eres tu”, “Amar pelos dois”, “E depois do adeus”, “Waterloo”, “L'oiseau et l'enfant”, “Insieme: 1992”, “Ein Bisschen Frieden”, “Volare (Nel Blu Dipinto Di Blu)”, “Voilà”, “Desfolhada Portuguesa”, “A festa da vida”, “Conquistador”, “O meu coração não tem cor” e “Hallelujah”, orquestradas por Diogo Correia, com direção musical de Pedro Vaz e as magníficas vozes de Mariana Cardoso e Daniel Pinto, tornam-se pano de fundo e protagonistas desta maravilhosa viagem pela arquitetura, construção, valores e pilares de uma Europa em que crescemos e que queremos ver reforçada.

A noite termina com uma canção inédita que dá título, cor e sentido à noite, “Sintonias”, letra e música do professor António Oliveira, o “culpado” por esta noite memorável.

Que mais “sinfonias” nos “sintonizem” com a harmonia, com a vida e com o mundo que nos alberga, hoje e sempre!

Visualizações:
153

A TV DA NOSSA ESCOLA